À procura de diagnósticos de alto desempenho

Diferentes métodos de teste para o diagnóstico do coronavírus

As empresas e laboratórios mundiais de diagnóstico encontram-se numa corrida contra o tempo para adaptar as suas capacidades de elaboração de testes à demanda atual. Devido à pandemia da COVID 19, a procura de testes ultrapassa muito a capacidade disponível.

Quais são os diferentes testes ao coronavírus e como podem ajudar?

A) Teste PCR

O teste PCR (reação em cadeia da polimerase) pode determinar se tem COVID-19. Actualmente, os esfregaços nasofaríngeos são enviados para laboratórios onde os técnicos determinam se uma amostra especifica contém o novo coronavírus isolando o RNA viral, convertendo-o em ADN e utilizando depois o teste PCR para aumentar o ADN para níveis detetáveis. O método tem vários inconvenientes, como o número limitado de poros de teste numa placa de PCR - normalmente 96 ou 384 - e o tempo que se leva a sintetizar os milhões de fragmentos de ADN únicos, chamados iniciadores, necessários para replicar o material genético do vírus.

B) Teste de anticorpos

O segundo teste é o teste de anticorpos, frequentemente denominado de teste serológico. Os anticorpos são pequenas proteínas produzidas pelo nosso sistema imunitário que se encontram, na sua maioria, no nosso sangue. Alguns destes anticorpos atacam o vírus e neutralizam-no. Cerca de cinco a dez dias após a infecção por SARS-CoV-2, o próprio sistema imunitário do organismo produz uma série de anticorpos, alguns dos quais podem tornar o vírus inofensivo ou neutralizá-lo. Permanecem no nosso corpo durante meses ou até mesmo anos e continuam a proteger-nos. Um nível elevado dos anticorpos adequados no corpo humano indica que superou a doença COVID-19 e que apresenta um certo grau de imunidade. Os investigadores querem identificar estes anticorpos para poderem utilizá-los no desenvolvimento de tratamentos, mas também para determinar quem já é imune à COVID-19.

No início de uma pandemia como esta, é essencial determinar quem possui o vírus para limitar a sua propagação entre a população. Nesta fase, os testes PCR podem ajudar a facilitar os procedimentos de isolamento, reduzir o número básico de reprodução (R0) e abrandar a transmissão. São uma das ferramentas mais importantes para controlar o surto do vírus. À medida que a pandemia avança, os testes de anticorpos serão cada vez mais importantes. Estes testes podem ajudar a compreender como a epidemia se propaga numa população e que nível de imunidade foi alcançado nos grupos populacionais. Os testes em grande escala podem ajudar a fazer regressar ao trabalho os trabalhadores dos setores mais importantes, de maneira que as pessoas mais vulneráveis possam ser protegidas e, em última instância, os confinamentos possam ser levantados.


A tecnologia pode ajudar a superar uma pandemia como esta. O exclusivo catálogo de soluções de manipulação de líquidos da Festo permite que os fabricantes de máquinas para equipamentos de laboratório e as empresas de diagnóstico construam equipamentos de DIV escaláveis e de alto desempenho.
Com componentes e subsistemas inteligentes para o laboratório, a Festo fornece soluções de automação para procedimentos de ensaio típicos, como o manuseamento de tubos de ensaio, a pipetagem e a distribuição de soluções tampão ou RNA.

Os produtos da Festo para a automação laboratorial demonstraram a sua eficácia na prática e foram concebidos para as aplicações industriais mais exigentes. Ao desenvolver os componentes, a Festo concentrou-se num alto desempenho, precisão e exatidão com um CV (Coeficiente de Variação) inferior a 3%.
Um alto grau de normalização e de disponibilidade em armazém garante uma elevada disponibilidade de componentes.

Isto permite aumentar rapidamente a capacidade de ensaio e ampliá-la conforme necessário para assegurar a disponibilidade e fiabilidade dos testes à COVID-19.

Visão geral