Aprender algo novo - ou uma nova aprendizagem?

A digitalização está a abrir caminhos em todas as áreas da vida. E a formação vocacional também está a sofrer o impacto. Mas até onde irá essa mudança? Só alguns temas são abrangidos ou irá ocorrer alguma mudança significativa?

"Bombas para smombies" foi o título de uma matéria num portal de notícias recentemente. Este título referia-se a luzes de trânsito destinadas aos zombies dos smartphones. São cada vez mais comuns as pessoas que andam pela rua a olharem para os smartphones. Estão tão ocupadas a verem os e-mails ou a enviar mensagens que se esquecem completamente do que as rodeia. Os quadros brancos digitais estão a ser usados nas escolas em vez dos quadros para aulas comuns. Os filmes educativos sobre este tema podem ser vistos no YouTube. E as coisas também estão a mudar nas fábricas. O técnico de manutenção já não anda com um bloco de papel e uma caixa de ferramentas, e é levado para o "paciente" seguinte pelo robô móvel autonomamente controlado enquanto é informado por um tablet como o software de um sistema precisa ser adaptado. É esta a imagem que temos quando pensamos da vida diária, da escola e da produção industrial há dez ou quinze anos? Definitivamente não. O mundo mudou.

As novas tecnologias do ontem

O rápido desenvolvimento tecnológico, a internacionalização crescente e a disponibilidade extensa da Internet com a capacidade de recuperar dados através de smartphones, estão a impulsionar o surgimento de novas oportunidades para o envolvimento com os temas relevantes e com os conteúdos de aprendizagem. Para além disto, o grupo alvo típico do formador, ou seja, os "nativos digitais", está a crescer com os smartphones e os tablets, e acham estranho que estes meios sejam considerados "novos" e que a sua legitimidade seja questionada.

A transformação começou

O ato de equilíbrio apresenta desafios tremendos em particular para os formadores. Por um lado, eles enfrentam os requisitos da formação dos futuros funcionários, e, por outro lado, lidam com o grupo alvo que tem grande afinidade com estes meios, mas, infelizmente, demonstram dificuldades noutras disciplinas na escola (ou, pelo menos, este é o sentimento geral). Em resumo, os conteúdos da formação ("o quê") estão a mudar, como também a didática ("como"), ou seja, a forma como o (novo) conteúdo de formação está a ser (pode ser) transmitido. Aprenda mais algumas palavras enquanto está na paragem do autocarro, assista a um vídeo de formação do Sofatutor ou da academia Khan no smartphone a caminho do trabalho - isto pode vir a ser completamente relevante no futuro. E, até o "onde" também está em estado de transição.

Elementos de formação 4.0

A formação na Festo já passou por uma alteração considerável devido a estes desenvolvimentos. Os passos que já foram não poderão envolver a digitalização em toda a sua complexidade, mas são passos importantes que são dados nesta direção ao nível do fazer. Os conteúdos técnicos (por exemplo, na área da tecnologia dos sensores) são experimentados e tangíveis em vários projetos. Como resultado, o interesse pelo novo e pelo desconhecido é fortalecido. Os projetos específicos, como o "Sensor Pong" e o "Balance Board" unem a aprendizagem técnica e emocional na área da tecnologia de sensores para a Indústria 4.0. E são usados os "novos" meios para esta finalidade. Para além dos smartphones dos formadores, também ficam disponíveis tablets ou portáteis 2-em-1 do grupo de equipamentos que podem ser utilizados pelos formadores, se necessário. No entanto, em alguns casos os estagiários usam os próprios smartphones, por exemplo, para controlar um pequeno robô com uma aplicação. Um sistema Wi-Fi de acesso aberto é indispensável aqui.

3D Cocooner

A visão geral da pesquisa e as tecnologias de procura resultantes não devem ser negligenciadas na formação - os novos processos de impressão estão a transformar as ideias em peças tangíveis em pouquíssimo tempo.

As ideias tornam-se peças de trabalho

Na estrutura da Indústria 4.0, o fabrico de lotes de uma unidade representa um papel importante, em particular, do ponto de vista da divisão de automatização da Festo. Esta mentalidade deve ser estabelecida desde o início. Tudo está alinhado com o cliente, e deve ser economicamente eficiente. Mesmo se apenas um produto estiver envolvido, que é encomendado apenas uma vez. É por isto que os estagiários da escola e da Festo já são confrontados com impressoras 3D, o que possibilita que imprimam ideias construídas por si mesmos - se o tempo o permitir. Desta forma, as ideias são transformadas em peças de trabalho tangíveis em pouquíssimo tempo.

O conhecido e o novo estão a fundir-se

Além da necessidade de equipamento adequado, surge a questão de saber se são precisas novas especificações de trabalho, ou se - e se sim, como - as especificações de trabalho podem ser adaptadas. A Festo ainda não viu a necessidade de criar especificações de trabalho completamente novas. As especificações de trabalho atuais estão a ser refletidas e melhoradas com temas adicionais e formação - por exemplo, na própria fábrica de formação da empresa diretamente na produção. Para além disso, a rotação dos estagiários pelos vários departamentos durante o curso já está a ser adaptada em determinados cargos.

Formadores em formação

Os formadores precisam de preparação proativa para os temas da 4.0. Numa última análise, eles são como multiplicadores para os estagiários. Isto é o que a Festo denomina de "formar o formador". Um "4.0 Circle" interno foi organizado para além destas ofertas de formação. Por exemplo, o que os formadores pensam ser possível, relevante e viável no futuro. Depois de tudo, nem tudo que é possível é também viável, sensível economicamente e, acima de tudo, útil para a formação. De qualquer forma, a competência do processo é muito importante no que diz respeito à formação básica e técnica adicional. No futuro, será indispensável para entender e dominar o processo, mesmo com tecnologias desconhecidas. Os formadores da Festo já se estão a preparar para este cenário, e aos estagiários também. Uma ferramenta importante aqui é um sistema de feedback e desenvolvimento que descreve de forma perfeita a evolução das competências de cada estagiário individualmente.

Indústria 4.0 - é tudo ou nada?

Os desenvolvimentos tecnológicos sempre existiram, e provavelmente não há uma data em que tudo muda drasticamente. Em um nível superior, é um processo gradual - e estamos no meio dele agora. Estes são tempos emocionantes para formadores e gestores de recursos humanos. O pessoal competente do futuro terá de saber mais, ter mais competências e estar preparado para alterações de maior alcance. Ainda será importante desenvolver fundamentos técnicos. No entanto, são acrescentados novos meios de ensino/aprendizagem. Contudo, relativamente a isto, a questão é se os novos meios resolverão todos os problemas, e se a "estrutura cerebral"/o desenvolvimento neurológico irão progredir no mesmo ritmo. Afinal, o ser-humano e a sua capacidade recetora têm limites.

Tudo depende da combinação

Há um velho ditado que ajuda a explicar: o que conta é a combinação certa. A preservação do que foi comprovado e a criação do novo, o que se traduz em: a continuação do uso dos métodos "antigos" na integração das novas tecnologias pode fazer sentido em algumas áreas. Mas são necessários novos métodos para novos conteúdos noutras áreas. E, a este respeito, será feita a distinção entre "aprender algo novo e nova aprendizagem" pelos formadores e estagiários no futuro. Fazer o uso consciente de mais ou menos possibilidades técnicas "novas" permitir-nos-á evitar a implementação de luzes de trânsito ao nível do chão.

  1. Estes artigos foram publicados na revista da Festo Didactic, a "trends in automation" 2.2016
  2. Fotos: Fotolia, Festo
Visão geral